quinta-feira, 23 de março de 2017

Urbanicidade

Tinha um corpo
Sub - corpo
Apagado
Mas que se arrasta na memória
daquele espaço
cheiro de sangue
som de grito
se estendendo
no olhar indignado
devastado
Que se reconstrói no tempo
Na necessidade
de seguir
de não sucumbir
Reafirmar
Afinal
Não há fuga possível
Dali pra cá
Ou de cá pra lá
Aqui ou noutro lugar
A guerra é onipresente
E nossa vida, trincheira
Muros
Pavores
Rumores
Abismos
Alteridades
A madrugada cala o dia
Mas o silêncio grita
Todos os sentidos da morte:
E há vida
Que reelaborada pela aurora
Extrapola
o medo, por ora
Nada abafa o canto
que recomeça brando
Até outro sol raiar



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leitor e leitora, dê sua opinião, recado etc aqui!