quarta-feira, 30 de março de 2016

Então me diga você 
se o dizer caminha
Somente pelos lábios
do silêncio
Ou se é devaneio 
falar sobre isso
Se é feitiço de poema 
fazer alarde
por esse tema
Quando os fogos de artifício 
e a chuva
se avizinham
Aqui
e lá dentro


VIDA

Fina ou bruta
Depende do caráter
da labuta
tem dias 
que parece ser melhor 
alimentar os vermes
Não se sabe quem sobreviverá
Só se sabe 
Que o sistema
Está fora do ar


TODA POESIA DO MUNDO
Discorre
no discurso do vento
Que avisa
da ausência
E da presença
do espaço
Que contorna
e preenche
ao mesmo tempo
todos os tecidos
que o sol revela
[E aqueles ocultos também]

TODA POESIA
No fundo
é quase tudo
E escapa pelas frestas
da palavra
Pode ser aquilo que se esbarra
Pode vir até via satélite
O fato é que vem
Seja no gozo
Seja no além



quarta-feira, 23 de março de 2016

Basta
Chega
Já deu
É guerra
Sincera
É Fogo
Nas cercas
Marreta
nos muros
a luz do sol
vai percorrer os becos
as bocas pretas
vão gritar
com certeza
libertemos
nossos sangues
nosso futuro
dos tentáculos
do escuro
libertemos
nossa alma plena
as lanças
estarão prontas
e os punhos
e as cordas
vocais
e os atabaques
e os maracás